Name:
Location: Portugal

Friday, May 02, 2008

Virtual Realidade Parte 134


Depois de um duche rápido, Eduardo, exausto, deitou-se ao lado dela.

Luísa recebeu-o de braços abertos, toda a angústia dissipada já, apertando-o contra o peito nu, como se o quisesse subtrair do mundo introduzindo-o dentro da sua própria pele e guardando-o ali para sempre, de modo que fosse só seu e estivesse acessível a todo o instante em que necessitasse dele.

Não teve uma única palavra de queixa ou recriminação, mas Eduardo sentiu naquele abraço, mais intensamente do que por quaisquer palavras que a namorada pudesse ter proferido, todo o peso da angústia por que ela havia passado durante a sua prolongada ausência.

E, mais uma vez, lhe pediu desculpa beijando-a e mimoseando-a com carinhos.

─ Espero que me perdoes, amor, não tive como te avisar! Deixei o meu telemóvel em casa e ainda tentei ligar de um fixo, mas o teu estava ocupado e tinhas o telemóvel desligado.

─ Estava sem bateria e esqueci-me de o pôr a carregar.

─ Não se pode confiar nos telemóveis! ─ riu Eduardo.

Luísa não queria dizer nada de que viesse a arrepender-se e perguntou:

O que aconteceu afinal?

Eduardo começou a contar desde que tinham saído de casa.

─ Sara pediu-me para passar por um café. Queria tomar uma água com gás porque sentia o estômago pesado, como se não tivesse ainda feito a digestão. Disse-me que, desde o almoço, sentia uma ligeira indisposição.

─ E foram ao café?

─ Sim, levei-a ao café onde costumamos ir. Enquanto bebia a água em pequenos sorvos foi dizendo que adorou conhecer-te e à tua família e que tinha simpatizado com todos, principalmente com o Francisco.

Luísa ouvia atentamente o relato do namorado.

─ Estivemos no café só o tempo suficiente de ela tomar a água. Já no carro, sugeri que talvez lhe fizesse bem apanhar um pouco de ar. Ela concordou e parei o carro perto do farol; estávamos no penedo da saudade mais ou menos há uns dez minutos, quando ela me disse, aflita, que lhe apetecia vomitar. Notei-lhe o rosto muito pálido e disse-lhe que se vomitasse iria sentir-se aliviada.

Eduardo detestava ter que falar tudo tão pormenorizado, mas sabia que tinha que o fazer. Conhecia Luísa o suficiente para saber que ela tinha passado um mau bocado.

Continuou a narrativa, entrelaçando as mãos nas dela. Ela levou-as aos lábios e uma lágrima teimosa caiu sobre elas.

─ Depois levei-a a casa. Quando saiu do carro ia dobrada, com as mãos a apertar o abdómen, a contorcer-se com dores, e tive de a ajudar a entrar em casa. Esteve bastante tempo na casa de banho e voltou a vomitar. Quando saiu deitou-se no sofá e o rosto dela estava branco. Fiz-lhe um chá na tentativa de a ajudar a ficar melhor.

Luísa tinha-se mantido calada até ali quando perguntou:

─ Porque não ligaram para o sobrinho, ou não foram ao hospital?

─ Tem calma, amor! Enquanto esperava que aquilo passasse, liguei-te a primeira vez e o teu telefone de casa estava ocupado. Depois liguei para o teu telemóvel e estava desligado. As dores não amainavam e eu sugeri que ligasse ao sobrinho. Sara ligou-lhe mas a chamada ia para mensagens. Eu estava a ficar cada vez mais preocupado e não esperei mais, levei-a para o hospital de Leiria.

E já sabes como é, no hospital levam horas e uma pessoa ali ansiosa e inquieta. De vez em quando ia perguntar se havia notícias, mas eram sempre o mesmo: “Ainda está em observação!”. Entretanto já te tinha ligado e os telefones continuavam na mesma. Não ia sair de lá sem saber algo de concreto, nem deixá-la sozinha.

O Miguel quando chegou a casa e viu o meu bilhete, foi logo para o Hospital. Quando veio ter comigo já tinha estado ao pé da Sara.

Disse-me que a tia ia ficar internada, que o problema dela era uma gastroenterite.

Por isso as cólicas e pontadas no estômago e as dores na barriga, e a diarreia aguda.

Miguel agradeceu-me o meu cuidado e ajuda à tia e disse-me que viesse embora descansado.

─ Mas, gastroenterite porquê? A comida estava sã, mais ninguém se queixou.

─ Essas inflamações do estômago e do intestino tanto podem ser causadas por infecção bacteriana oriunda de comida deteriorada ou ter origem em vírus que andam por todo o lado.

─ Então foi com certeza viral, senão mais alguns de nós teriam ficado doentes e, até agora, mais ninguém se manifestou, felizmente!

─ Com certeza, amor! E aqui tens a história desta noite. E tira todas as suspeitas dessa linda cabecinha, que eu sei que as tiveste. ─ disse sorrindo.

Ela, no seu sorriso, sabia que ele estava a falar a verdade.

─ Quer dizer que estás sem dormir!

─ Pois estou, fofura, e bem preciso.

─ Desculpa, amor! E eu aqui a pensar só em mim e nas minhas preocupações! Dorme tranquilo que eu velarei pelo teu sono.

Tomada pelos remorsos, prometeu a si própria não se deixar consumir pelos ciúmes.

Abraçados, adormeceram.

Sandrine e Emília já se tinham levantado há muito tempo quando Luísa apareceu na cozinha, tendo deixado o namorado ainda a dormir profundamente.

─ Tu não sabes as horas, pois não? É uma hora da tarde. Acabámos de tomar um bom pequeno-almoço e não vamos precisar de almoçar.

─ Boa ideia. Farei o mesmo e vou depois dar uma volta à beira mar. O Eduardo precisa de dormir e não se vai levantar tão cedo. E creio que Rita e Francisco também não.

Sandrine e Emília olharam uma para a outra surpreendidas, interrogando-se mutuamente com os olhos.

Luísa fez de conta que não viu e continuou:

─ Esta noite acordei no meio de um pesadelo que parecia tão real… Àquela hora Eduardo ainda não estava em casa. Fiquei preocupada e não consegui dormir mais. Chegou já era de dia. Sara sentiu-se mal e ele levou-a para o hospital onde ficou internada.

─ Mas o que aconteceu? ─ perguntou Sandrine.

Resumindo contou-lhes o que se tinha passado, omitindo o que ela tinha sofrido naquelas horas.

─ Bem, meninas, vou dar uma volta à beira mar, não me demoro.

─ Nem tomas o pequeno-almoço? ─ perguntou Sandrine.

─ Era para tomar, mas não me apetece. Tomem conta da casa.

Queria falar com a amiga o mais depressa possível, contar-lhe o que realmente tinha acontecido, antes que ela pudesse falar com mais alguém sobre o assunto.

─ Mas não vão hoje para casa do Eduardo?

─ Vamos; e vocês já decidiram se vão connosco?

─ Penso que não vamos, mas ainda temos que falar melhor uns com os outros. Ficaram coisas pendentes. Agora vou fazer uns telefonemas que preciso fazer.

─ E eu vou para o computador. ― Disse Emília, desejosa de encontrar o namorado.

─ Até logo.

Luísa saiu para o jardim. Um aroma intenso a maresia chegava às suas narinas. Fechou os olhos por momentos, usufruindo o momento. Sorriu para a cabana e seguiu em direcção à casa de Cristina.

Continua...

11 Comments:

Anonymous MoonLight said...

Mais um capítulo tão cheio de suspense!
Maravilhosa a história.
Continua sempre a fascinar-me!
Vocês são fantásticos!
Bom fim de semana.
Bjs de Luz*

8:36 pm  
Anonymous MoonLight said...

Mais um capítulo tão cheio de suspense!
Maravilhosa a história.
Continua sempre a fascinar-me!
Vocês são fantásticos!
Bom fim de semana.
Bjs de Luz*

8:36 pm  
Anonymous Carla said...

Olá, valeu a pena esperar mais uma semana, para saber o desfecho da noite do Eduardo, gostei, vão no bom caminho, cá fico a espera de mais uma semana, tenham um bom fim de semana, beijinhos

11:01 pm  
Blogger tb said...

porque ninguém é de ninguém e quando o amor é sentimento de posse, vêm os ciúmes e as inseguranças que, quantas vezes, matam o próprio amor...
Muito bem contada, a história.
Beijinhos

11:39 pm  
Blogger Miguel Augusto said...

A confiança é um dos grandes segredos de uma relação, mas o segredo maior é mesmo o amor! Bonita foto! :P

7:41 pm  
Anonymous In Loko said...

UFFF que alívio!!! Não meu mas de Luísa... os telemóveis, que raio, quando são mais precisos estão sempre maus da cabeça (bateria)... e problemas de estômago acontecem a qualquer um e em qualquer momento!
Agora falta é saber se de facto foi só uma gastroenterite... e se Sara está grávida hein? Oh... por aqui já não me meto... a autora que se desenrasque! :)
E como gosto deste cheiro a maresia pela manhã hummmm...

Mais um bom capítulo autores... Beijinhos e abraços...

6:55 am  
Blogger Nilson Barcelli said...

Continuam muito bem com este romance.
Já tem um bom tamanho, mas ainda estão alguns casos por resolver...

Bom resto de semana.

Beijinhos e abraços.

11:26 am  
Blogger Papoila said...

Meus Queridos:
Os telemóveis tantas vezes nos pregam partidas! Essencial é quando se ama assim ter confiança. Gostei da forma como se desenrolou este capítulo.
Beijos

1:45 pm  
Blogger lena said...

e o telemóvel foi o culpado de tudo em conjunto com a gastroenterite

fiquei com pena da Sara a sofrer e só poder contar com a ajuda do Eduardo, sabendo este dos ciúmes da Luísa

ainda bem que tudo acabou bem.

Luísa olha que os ciúmes nem sempre dão bom resultado...

O Eduardo sem dormir e tu a quereres as explicações todinhas…, ou era mais…

continuo a viver os vossos momentos, continuo a gostar, ainda há tanto para desvendar

adoro-vos , mas isso já sabem

beijos aos dois, muitos mesmo

lena

2:09 pm  
Anonymous aeriene said...

muito bem mesmo... a história continua deliciosa e poixxxxxxxxxx nas horas assim os télés nunca funcionam lolllllllll
e realmente ciúmes é a pior coisa que pode haver - ainda bem que Luísa, apesar das suas dúvidas todas, teve o bom senso de esperar... ufffffffff até eu fiquei aliviada...

gostei muito mesmo deste episódio, já estou toda metidinha na história e estava a sofrer com Luísa e Eduardo

um sorriso grande @@@

8:35 am  
Anonymous Azoriana said...

Parte 134 - A explicação de Eduardo...

4:55 pm  

Post a Comment

<< Home