Name:
Location: Portugal

Friday, July 18, 2008

Virtual Realidade Parte 145


─ Vens viver para minha casa enquanto esse sacana estiver à solta, ouviste? Não te quero mais lá sozinha com ele! ─ disse Luísa depois de saírem do hospital, num tom que não admitia réplicas.

Uma lágrima escorreu lentamente pelo rosto de Cristina que balbuciou:

─ Obrigada amiga! E o Daniel?

─ Vem também. Tens de lhe contar o que o pai te fez.

─ Não sei como te agradecer.

─ Agradeces-me sendo feliz. Sabes, ainda não resolveu nada, mas sinto-me melhor por termos denunciado esse energúmeno. Soube-me a uma pequena vingança.

─ Só ficarei completamente tranquila quando tiver a certeza de que nunca mais o verei na minha frente.

─ Pois naturalmente, pobre querida! Só tu sabes o que tens sofrido! Eu entendo isso. Agora passamos as duas pela tua casa e trazemos tudo o que necessitares.

Depois de ter falado com Luísa, Eduardo decidiu que seria melhor comunicar a Sara o sucedido.

O telefone tocou várias vezes, mas a chamada foi parar ao atendedor de chamadas.

Por volta das três da tarde, Sara regressou a casa exausta.

Tivera a sua reunião com a organizadora da convenção dos escritores, e ainda tinha passado pela delegacia para acertar os últimos detalhes da captura do Victor. Estava a precisar de um banho para relaxar.

Após o banho, Sara ligou o atendedor de chamadas, enquanto degustava uma sandes e um copo de sumo.

De entre as várias mensagens, sobressaiu uma com a voz de Eduardo que apenas dizia: «Liga-me assim que puderes! Um beijo. Eduardo.»

“Que estranho” ─ pensou Sara.

Por momentos, imagens do jantar da noite anterior evocaram-lhe o prazer que sentira na presença daquele homem na sua casa e a mente cedeu o lugar ao coração.

Eduardo era tão bom conversador ao vivo como havia sido durante o tempo em que falavam no IRC, sem ainda se conhecerem pessoalmente. Sempre extremamente correcto, de uma correcção que fazia parte intrínseca da sua personalidade e se manifestava espontaneamente.

Levantou-se ao mesmo tempo que as lágrimas lhe vinham, contidas, realçar o brilho dos olhos e, respirando profundamente, procurou pensar noutra coisa.

Tinha de ser prática e objectiva, havia coisa importantes a resolver.

Pegou no telefone e ligou a Eduardo que atendeu logo.

─ Então o que se passa? Deixaste-me apreensiva.

Quando ele acabou de contar, Sara gritou:

─ Grande canalha! Muito em breve vai ter o que merece, assim espero.

Sara informou-o de que no dia seguinte bem cedo iria para Aveiro. Os últimos detalhes seriam ajustados com a Inês e a polícia presentes. Teriam de ir ao computador dela fazer falar o Victor.

─ Irei buscar-te à estação e de seguida levo-te a casa do Pedro.

─ Ok, então não é preciso mais nada. Vou ter de desligar que tenho outra chamada em linha. Um beijo. Até amanhã!

Em Pamplona, em casa de Francisco, assim que Mariana acabou de marcar o número de Sara, o nível de ansiedade colocou nos quatro rostos, habitualmente serenos, uma máscara de dolorosa gravidade expectante em que os sentidos tensos, como que projectando-se para fora de si mesmos, se esforçavam por tentar descobrir quem apareceria do outro lado da linha, antes mesmo de qualquer voz se fazer ouvir.

O aparelho tremia na mão frágil de Mariana, mais ansiosa do que todos.

─ Ninguém atende ─ disse ao cabo de uns segundos que lhe pareceram uma eternidade.

─ Espera um pouco mais. ─ sugeriu Juan sentado a seu lado e segurando-a pelo ombro.

Aquela espera fazia subir a tensão mergulhada num silêncio que se adensava à medida que o tempo ia passando.

─ Estou, quem fala? ─ perguntou, finalmente, uma voz do outro lado da linha.

O coração de Mariana bateu com tanta força que parecia querer saltar-lhe do peito e impediu-a de falar de imediato.

Acabara de reconhecer aquela voz vinda de tão longe no tempo: era a voz da sua querida gémea perdida. Com o ouvido colado ao aparelho, Mariana fez sinal aos outros de que era ela.

Do outro lado a voz repetiu:

─ Sim, estou a falar com quem? Está aí alguém?

E, repentinamente, Mariana sorriu e, recuperando a fala, perguntou:

─ Eu por acaso não estou a falar com a Princesa dos Patos?

Do outro lado, os olhos de Sara ficaram marejados de lágrimas. Sabia que, actualmente, apenas uma pessoa no mundo lhe poderia fazer aquela pergunta, se fosse viva.

─ Sim, Menina do Campo, sou eu! ─ respondeu a custo com a voz embargada pela emoção. ─ Mariana, pois és tu, minha irmã querida!

─ Sim, sou eu! E tu a minha irmã Sara, finalmente! Ai que até me custa acreditar!

A avó materna havia-lhes dado aquelas alcunhas quando brincava com elas em meninas e essas alcunhas, porque só elas as conheciam, como uma senha e contra-senha secretas, identificavam-nas, perfeitamente, uma perante a outra.

Juan, Francisco e Rita olhavam uns para os outros e sorriam calados, testemunhando aquele encontro das duas irmãs ao fim de tantos anos, limitando-se a seguir as reacções de Mariana ao telefone e a emocionar-se com ela.

Os gritos de alegria, de um e outro lado, misturavam-se às lágrimas que corriam pelo rosto das duas gémeas, e isso foi tudo o que se ouviu no telefone de ambos os lados da linha durante largos minutos.

Na sala, Rita e Francisco abraçaram-se emocionados olhando a mãe, que Juan amparava, em silêncio, com um braço por cima dos seus ombros apertando-a contra si.

Não era todos os dias que um passado assim acordava, inesperadamente, aparecendo à tona das estratificações do tempo, depois de tantos anos adormecido, revelado por um arqueólogo desconhecido.

Num ápice, as perguntas de um lado e do outro começaram a atropelar-se numa urgência de recuperarem o tempo perdido, em que cada uma tinha ignorado o que se passava com a outra.

Ficaram ainda por muito tempo ao telefone e depois passaram ao computador para se poderem ver pela primeira vez ao fim de quase trinta anos.

O impacto foi grande e profundo para as gémeas. Os seus olhos sorriam envoltos numa névoa húmida de orvalho.

─ Como foi que me descobriste? ─ perguntou Sara a certa altura.

─ Através das fotografias que o meu filho trouxe agora de Portugal quando foi ao aniversário da namorada. Por uma felicidade também estavas lá e eu reconheci-te nas fotos. Depois o Francisco arranjou-me o teu contacto através de um tal Eduardo, que conheceu lá também, e eu arrisquei telefonar-te.

─ É verdade, eu estava lá! Sim o Eduardo… Então o Francisco é meu sobrinho! Só tens esse filho?

─ Nunca tive outro, porquê?

─ Por nada. Tanto que te procurei e foste tu que me encontraste!

Sara queria confessar que também ela já sabia da sua existência, mas isso significaria que teria de lhe dizer quem era aquele Eduardo e ela não se achava nesse direito. Agora tinha praticamente a certeza de que Francisco era filho de Eduardo, mas deixaria isso para ela descobrir depois, quando Eduardo fosse a Pamplona.

Queria tanto que, naquele momento, Eduardo estivesse ali para a abraçar e participar da sua felicidade, do seu sonho de esperança acabado de realizar, e que era também, certamente, o sonho dele, mas sabia que não podia fazer nada quanto a isso.

─ Precisamos de nos ver em breve! ─ disse Mariana ─ anseio por te abraçar

─ E vamos tirar dias inteiros só para nós duas, que temos muita conversa para pôr em dia! ─ concordou Sara. ─ Ai que bom vai ser!

─ Vou aí já na próxima semana, que antes não poderei! Depois virás comigo passar uns dias aqui em Pamplona.

─ Sim, sim! E nunca mais nos perderemos uma da outra!

─ Nunca mais!

Horas mais tarde, no seu quarto, Mariana suspirava calmamente de olhos fechados.

Nunca mais iria sentir aquela amargura que a acompanhou durante tantos anos. Finalmente iria dormir sem medo dos fantasmas que a visitavam durante a noite. Mas será que não voltariam? E Eduardo, onde estaria?

Continua...

9 Comments:

Blogger Miguel Augusto said...

Os reencontros de amor são sempre belos e emotivos! Rever, ver, conhecer, explorar... é bom, muito bom!

9:04 pm  
Anonymous Carla said...

Muito emotivo este capítulo, lindo...reencontros... momentos de mistura de sentimentos, tristeza, ao tomarmos a consciência dos anos perdidos de convivência e alegria pelo reencontro...sentimento que já o senti... beijinhos e um bom fim de semana

10:18 pm  
Blogger MoonLight said...

:)
Bem... as lágrimas e em breve os abraços!
Lindo!
Comovente...
quantas ausências permitimos nas nossas vidas!!!
Bom fim de semana.
Bjs de Luz*

10:29 pm  
Blogger soli-arte said...

adorei este capitulo.O reencontro após tanto ano, a descrição das emoçôes...
E mais não digo. continuem amigos.
beijos.~
Soli

10:51 pm  
Blogger Papoila said...

Emocionei-me ao ler este reencontro das duas irmãs. Quenta ternura e sensibilidade vocês reflectem no texto!
Beijos

6:59 pm  
Blogger FB said...

Quem conhece a sua ignorância revela a mais profunda sapiência. Quem ignora a sua ignorância vive na mais profunda ilusão.

10:43 pm  
Anonymous In Loko said...

E quando o passado acorda assim, enternece qualquer um!...
Excelente a maneira clara e emotiva como escreveram e descreveram esta passagem do reencontro entre as duas manas... ao lê-lo tive as imagens à minha frente (a fita era de boa qualidade e as lágrimas e sorrisos, diria, até palpáveis!).
Imagino próximos capítulos cheios de felicidade... bom, acho que a transbordar de felicidades por que outras revelações se seguirão, não é autores?
Mas como nem tudo são "rosas" há o problema Victor para resolver... há que montar bem a rede a este canalha!!!

Mais um excelente capítulo, muito e muito emotivo!!!

Beijinho e abraço.

8:02 am  
Anonymous Azoriana said...

Parte 145 - O encontro de irmãs via telefone - Mariana e Sara

12:33 am  
Blogger lena said...

momentos diferentes neste capítulo, todos eles de grande emoção

Sara recorda o jantar da noite anterior, a lágrima que rola no rosto é doce e amarga...

o Eduarda a comunicar-lhe o que aconteceu à Cristina, deixou Sara abalada e ao mesmo tempo furiosa com o acontecimento

depois, sim depois uma doce voz ao telefone. uma voz que ela bem reconhecia. a menina do campo e a princesa dos patos

maravilhoso o encontro...

excelente a forma como narraram cada acontecimento

prenderam-me uma vez mais e a emoção passou para o lado de cá

belo o que li meus amigos queridos.

o tão desejado encontro...

abraço-vos muito sempre com amizade e admiração, o meu carinho e a ternura vai nesse abraço

beijinhos doces aos dos, meus queridos amigos


lena

2:34 pm  

Post a Comment

<< Home