Name:
Location: Portugal

Thursday, April 13, 2006

Virtual Realidade Parte 31


─ Perdoa-me Luísa! Já devia ter desabafado há mais tempo mas não tive coragem.
─ O que se passa querida? Porque choras? Deve ser grave, pela tua cara.
─ Luísa sabes aquele ditado: «Quem desdenha quer comprar»? Foi o que aconteceu comigo.
─ Palavra de honra que não entendo mesmo nada do que dizes. Explica-te mulher!
─ Escuta-me, e não me interrompas. Quero contar-te tudo. Eu muitas vezes te avisei para teres cuidado com o Eduardo e com as pessoas que conhecias na net.
─ Sim e daí?
─ E daí, tu és livre de te envolveres com quem quiseres e eu não. Quando te dizia aquelas coisas era mais para mim que falava.
─ Como assim?! ─ Perguntou Luísa, cada vez mais admirada.
─ O que eu quero dizer é que me envolvi com uma dessas pessoas a quem chamamos ”amigo colorido”. Começamos por uma brincadeira até que trocamos números de telefone. Passamos a falar no MSN e a vermo-nos pela webcam. Cada dia que passava estávamos mais dependentes um do outro. Até que chegou o momento em que nos queríamos ver frente a frente.
─ E já se encontraram? Desculpa, conta-me tudo desde o início. Como foi?! Pois tu…?!
Eu não acredito!
─ Não me dificultes as coisas; deixa-me falar e ouve, por favor, agora que comecei.
O Victor fora tanto tempo e eu sozinha com as minhas carências, o computador por companhia, o IRC por única distracção da rotina diária, fui falando com muita gente até que me apareceu o Rui.
─ Chama-se Rui então. E por acaso não será dos lados de Aveiro?
─ Sim chama e por acaso é de Aveiro sim. Mas como sabes?
Pela mente de Luísa passou um relâmpago, lembrando-se da última conversa que tinha tido com o Eduardo: “Será o mesmo Rui?! Claro que não! Só pode ser coincidência; Ruis há muitos.”
─ Não sei. Foi um palpite apenas. Mas qual é o nick dele?
─ «Quando», mas para que queres saber? Conheces?
─ Não, nunca o vi. Mas continua…
─ Fomos falando, as coisas foram acontecendo e …─ Cristina hesitou olhando o rosto admirado da amiga.
─ E…?
─ E tudo o que possas imaginar. ─ Respondeu Cristina soluçando.
─ O quê?! Não me digas que já foste para a cama com ele?!!! ─ Luísa estava estupefacta com o que acabara de ouvir.
Cristina de olhos baixos abraçava a amiga com força implorando:
─ E agora o que devo fazer, diz-me?
─ Pobre amiga! Mas tem calma! Se tu e ele estão apaixonados as coisas não são tão feias como te parecem.
─ E o meu marido e o meu filho?
─ Tem calma! Também não é o fim do mundo! O que importa realmente é saberes o que sentes por esse Rui e também o que ele sente por ti. Será amor ou apenas um desejo de aventura sem consequências maiores?
─ Só te posso dizer que pela primeira vez na vida senti o que era ser mulher em toda a plenitude e que o amo com toda a minha alma.
─ Mas tens a certeza de que não estás a ser usada? Como podes entregar-te assim a alguém que mal conheces?
─ Tenho muita confiança nele sim.
─ Hum!... O caso é sério mesmo! É preciso muito cuidado com esses meninos do IRC!
─ Tu também encontraste o Eduardo e apaixonaste-te por ele!
─ Touché! Amiga, eu não sou ninguém para te acusar ou dar conselhos! Somos mulheres frágeis e carentes: eu também teria aceitado um convite do Eduardo. Asseguro-te que o desejo muito.
─ Convida-o tu! És uma mulher livre.
─ Não me atreveria. O tal Rui sabe que és casada e tens um filho de 16 anos?
─ Sim, claro! Contei-lhe tudo logo no início. Se decidirmos ficar um com o outro vou ter de contar tudo ao Victor.
─ Claro. Mas já estão a pensar nisso, tu e o tal Rui?
─ Sim, já falámos no assunto.
─ E ele é livre e quer ficar contigo?
─ Sim.
─ As coisas já vão adiantadas, pelo que vejo, e eu sem suspeitar de nada este tempo todo! Podias ter-te aberto mais comigo.
─ Perdoa-me! Pensei que não passasse de uma brincadeira e que tudo se resolveria em pouco tempo e eu regressaria à minha rotina habitual. Mas foi assim e arrependo-me de não te ter contado tudo há mais tempo. Acredita que já me sinto mais aliviada por te ter contado, e também mais capaz de enfrentar a situação.
─ Pois!...Ainda bem! Só desejo que qualquer que seja a tua decisão, ela seja a melhor que poderias ter tomado na circunstância. Pelo meu lado apoiar-te-ei em tudo. Conta comigo.
─ Obrigada amiga, obrigada! Perdoa-me em querer dar-te conselhos quando eu própria sou tão imperfeita.
─ Aguarda uns dias e não faças nada sem eu falar contigo de novo. E, sobretudo, fica tranquila e nada de tolices! E agora vou que já é tarde.

No regresso a casa a neblina costeira estava avançar, a unir o mar ao céu. As andorinhas-do-mar bamboleavam-se perto da linha de água, a moverem as pernas pequenas, semelhantes a caules, em busca de pequenos crustáceos.

Os dias passaram. Era chegado o Outono e com ele a magia da sua paisagem multicolor em tons de vermelho-acastanhado. Sandrine já tinha partido. A Rita já tinha concorrido para diversas faculdades espanholas. Esperavam ansiosamente pela resposta de alguma delas. Já não falava com o Eduardo havia dias. Ao pensar nisto Luísa, sozinha no quarto, começou a chorar e durante muito tempo não conseguiu controlar o choro. A filha encontrava-se no computador a ver o correio mais uma vez. Abanou a cabeça, a tentar afastar a melancolia que lhe ia na alma. De repente apareceu Rita que entrou no quarto, de rompante, gritando feliz:
─ Mamã, mamã! Tenho noticias! ─ Ao dizer isto abraçou a mãe e rodopiou com ela no ar.
Luísa, que mal teve tempo de disfarçar as lágrimas, tentou defender-se daquela manifestação da filha:
─ Calma, calma filhota! Ainda caímos no chão; afinal o que aconteceu?! Porquê essa euforia toda?!
─ Ai, ai que nem consigo falar! Fui aceite em Pamplona. Vou para Espanha.
─ Como, como soubeste?
─ Recebi um e-mail da Universidade de Navarra. Anda ver!
Dirigiram-se ao computador e ambas leram duas vezes: «La candidatura de Rita Costa a la carrera de Medicina en la Universidad Publica de Navarra ha sido aceptada»
Mãe e filha caíram nos braços uma da outra: Rita radiante de alegria porque o seu sonho iria concretizar-se; Luísa feliz por ela mas com alguma apreensão no olhar pensando nas centenas de quilómetros que essa situação iria colocar entre ambas. Agarrava-se no entanto à ideia de que talvez mais tarde fosse possível a transferência para Portugal. Não queria frustrar a alegria da filha e embarcou com ela nessa onda de felicidade; era bom que a Rita estivesse assim animada e feliz.
─ Mãezinha, irás comigo a Pamplona? Gostaria muito da tua ajuda na procura do alojamento. Já estou ansiosa por conhecer aquela cidade. Vou ligar ás minhas amigas a dar a novidade. Depois vou ver na internet. Quero saber tudo acerca da cidade navarra.
─ Claro, filhota, tudo o que tu precisares!

Continua...

22 Comments:

Anonymous tb said...

Olá Isa e Luís,
Mais um episódio desta história de vidas, interessante e "viciante!...
Destaco o que muito me agradou, talvez por ser a forma que tenho de estar e entender a amizade, é que amigos são para todos os momentos, para entender e não para criticar, para apoiar, para ajudar, enfim...numa palavra, para amar!
Parabéns!
Deixo Beijinhos mais doces que os ovos de chocolate (risos)

10:38 am  
Blogger macmartinson said...

Olá, ISA !

As personagens começam a movimentar-se no tabuleiro da Vida.
Adorei !!! Aguardo o desenrolar...

Boa Páscoa
Beijos

12:34 pm  
Blogger dacj_a said...

ola isa estou a gostar muito da historia esta a ficar muito real no meio dos cibernautas, pq esses envolvimentos acontecem mesmo, uns mais atribulados que outros.Muitos beijinhos e FELIZ PASCOA COM MUITAS AMENDOAS.

1:03 pm  
Anonymous Juda said...

Belo, deixo uma boa Pascoa e um abraço...

6:39 pm  
Blogger Papoila said...

Esta história tem-me prendido desde o início. Estes caminhos que se cruzam fazem dela uma história cada vez mais real. Beijo

10:46 pm  
Blogger XannaX said...

Vinha agradecer as palavras de esperança no meu blog... Agora vou ler o vosso.
beijinhos e boa Páscoa p vcs tb!

12:18 pm  
Blogger soli-arte said...

Finalmente consegui entrar.
Quanto a este capitulo continuo a gostar.A amizade está presente e ensina-nos a partilhar os "nossos segredos".
Mostra-nos também como este mundo virtual que é tão grande, por vezes se torna tão pequenino.
E quanto à filhota da Luísa, gostei. Mais uma jovem que vai continuar a sua vida académica num outro País que não o dela, porque os nossos governantes assim o desejam.
Beijos amigos e tenham uma boa e Santa Páscoa

2:11 pm  
Anonymous Flor said...

Continuo a seguir esta história cada vez com mais interesse. Obrigada pelas vossas palavras de alento e por me visitarem. Um beijo grande! E boa Páscoa.

2:43 pm  
Blogger Luisa said...

Contas muito bem esta história mas custa-me a perceber que as pessoas entrem nestas relações através dos chats...a ponto de romperem com afeições mais antigas e estáveis.

5:31 pm  
Blogger lena said...

vejo que já há um novo capitulo, que o li num só fôlego, gostei desta descrição, hoje entrando um pouco num relaccionamento virtual, que mais parece real,
estava à espera que o desenrolar da Cristina com o Rui acontecesse aqui narrado e como a vida gira e gira e vem sempre ao encontro de algo, o Rui é o tal amigo do Eduardo...

os romances têm sempre disso quando bem explorados, deixam-nos a imaginar o que pode vir sempre acontecer

espero que dê certo, embora eu seja muito cética nestas estórias de relaccionamentos, mas quem sabe se desta vez não me surpreendem , embora seja tudo fixão e não baseados em factos verdadeiros, penso eu

a filhota lá vai tirar o curso dos seus sonhos e como me revolta que para se concretizar um sonho se tenha que abandonar um país, uma família, por não termos condições no nosso país que o permitam, mas é o país que temos e onde vivemos...

vou continuar a acompanhar-vos, já agora falta a Rita acabar por conhecer o Francisco e quem sabe não possa haver romance em terras de Espanha

não me deixem sonhar , porque é o que mais gosto de fazer, ler e ir imaginando o que pode vir acontecer, enquanto vivo cada momento descrito


beijinhos muitos aos dois

lena

6:06 pm  
Anonymous eternapartedemim said...

Olá Isa e Luís!

Gostei da compreensão e verdadeira amizade que existe entre estas amigas.

Quanto ao amor... pode surgir de rompante, até mesmo através da net e quando surge, não tem barreiras...

Obrigada querida Isa, pelas palavrinhas sempre tão queridas que deixas no meu blog.

Um grande beijinhos para ti e para o Luís, com sabor a ovinhos de chocolate,

Lu Costa

7:26 pm  
Blogger Baby said...

Beijinhos para ambos, com votos de Uma Páscoa feliz.
Obrigada pela vossa visita!
Baby

8:05 pm  
Blogger Pedro Melo said...

Oi! Finalmente chego ao capitulo certo! Agora é so esperar pelos próximos! Estou a gostar muito!

Boa Páscoa!

:)

9:31 pm  
Anonymous Nanci said...

Cristina encontra apoio nos ombros de Luísa...Amigos são assim....
otima Páscoa, linda semana pra vocês
beijos

11:38 pm  
Anonymous Regina said...

Queridos Isa e Luis
O coelhinho da Páscoa vem a nós avisar
Que Jesus está vivo e continua a reinar.
Que essa passagem, chamada Ressurreição,
Seja de fato comemorada com Cristo no coração!
Feliz Páscoa!
Beijos cheio de paz
Regina

8:26 am  
Anonymous Alexandra said...

Uauuuuuuuu!!!! Esta vossa narrativa está fabulosa! Qq dia fico fanática :))))

Uma Excelente Páscoa para vós!

Beijiinhos

7:37 pm  
Anonymous Mrs.Sensuality said...

A historia esta cada vez mais emocionante...mal posso esperar pela proxima sexta-feira para ler o resto!!!!!
Obrigada pelas palavras de carinho!!
Isa, se dpx puderes responder-me a pergunta k te fiz da outra vez... se ja lançaram algum livro e cm o fizeram?... Obrigada e parabens pela drama, esta demais!!!
Jinhos

7:58 pm  
Anonymous Mrs.Sensuality said...

...para a primeira experiencia, voces estao de PARABENS!!!Estou a adorar esta historia, e quando publicarem o livro, digam-me para eu o comprar!!
Jinhos

11:03 pm  
Blogger Catarina Pati said...

A vossa historia faz-me pensar na realidade de algumas pessoas que conheço :)
Pessoalmente sempre tive imenso receio das amizades virtuais, porque se aquelas que conhecemos de perto nos desiludem tanto, as virtuais ainda se tornam mais inseguras.
Bjtos

9:13 am  
Anonymous Mrs.Sensuality said...

Obrigada amiga... es sempre bem vinda!!!
Jinhos

7:02 pm  
Blogger eu said...

Qualquer que seja a fase cá estarei, para vos ler
um beijo da lua

1:38 am  
Blogger Å®t_Øf_£övë said...

Vim ver se havia novidades. Como não há nada de novo aproveitei para reler um dos capitulos mais antigos.
Beijos e abraços.

10:40 pm  

Post a Comment

<< Home